A providência de Deus, que dá a cada um o que mais lhe convém, tudo dispôs para nos conduzir à humildade. De facto, se te orgulhas com as graças da providência, esta abandona-te e voltas a cair. Recorda, pois, que não é por ti, nem pela tua virtude, que resistes às más tendências, mas que que é a graça que te sustenta, para que não temas.
Geme, chora, recorda os teus pecados no tempo da prova, a fim de seres libertado do orgulho e de adquirires a humildade. Mas não desesperes. Pede humildemente a Deus que te perdoe os teus pecados.
A humildade, também nas obras, apaga muitos pecados. Pelo contrário, sem ela, as obras de nada servem, chegando mesmo a atrair males sobre nós. Obtém pois, pela humildade, o perdão das tuas injustiças. A humildade está para a virtude como o sal para os alimentos; a humildade destrói a força dos muitos pecados.
Se a possuirmos, fará de nós filhos de Deus, conduzindo-nos a Deus mesmo sem o socorro das boas obras. É por isso que, sem ela, todas as obras são vãs, como vãs são todas as virtudes e todas as dores.